Quem lucra com o fim das eleições em Magé?

Gostaria de começar este texto listando a ENXURRADA DE MERDAS feita pelos administradores da Prefeitura de Magé desde a gestão da ex-prefeita Núbia Cozzolino:

1. lesão aos cofres públicos

2. prevaricação e peculato

3. improbidade administrativa

4. formação de quadrilha

5. enriquecimento ilícito,

6. adulteração de combustíveis

7. coação

8. uso do cargo público em benefício próprio

9. desvio de verbas

10. superfaturamento em obras públicas

11. fraude em licitações

12. retidão de titulos eleitorais sem permissão legal durante a eleições

13. contratações ilegal de funcionários públicos

14. contratação ilegal de serviços terceirizados

15. aumento de impostos sem justificativa comprovada

16. sucateamento do transporte público

17. uso do dinheiro público para promoção pessoal

18. nepotismo

19. assassinatos

20. abuso de poder

21. utilização indevida dos meios de comunicação…

Acho que vou parar por aqui, mas se você quiser aumentar a lista, sinta-se à vontade e MANDE SEU COMENTÁRIO.

A prefeitura de Magé está, interinamente, nas mãos de Dinho Cozzolino, irmão de Núbia, como já esteve nas mãos de Renato Cozzolino (o pai), Charles Cozzolino e, por muito pouco, não esteve nas mãos do tio Benito Cozzolino, que, para nossa sorte, está morto e enterrado.

Com a convocação para as novas eleições que aconteceriam em 17 de julho de 2011, comentou-se  que os funcionários públicos, em sua maioria, contratados, foram obrigados, intimados, ou melhor, “sugeridos” para que votassem no vereador candidato à prefeitura WERNER SARAIVA, que todos sabemos faz parte da família.

Núbia Cozzolino, à época de sua gestão, foi solenemente ovacionada pelo Sr. Reinaldo Betão (que já foi candidato à prefeito de Magé) em uma sessão pública na câmara dos vereadores (clique para ler o texto). Suas palavras são tão verdadeiras que até comovem. Mas por que fazer tantas obras? Simplesmente, porque não há como desviar o dinheiro público sem investí-lo. Para superfaturar obras é preciso que obras sejam feitas. Para beneficiar empresas é preciso que licitações sejam feitas. E curiosamente quem ganha todas as licitações em Magé é a construtora JM TERRA (para não falar da construtora MAGÉ DO FUTURO – alguém sabe se ela ainda existe?). Ah, agora lembrei o porquê: a construtora é da família. Núbia percebeu que só podia enriquecer fazendo obras e comprando equipamentos. Mas isso foi no ínicio da gestão. Depois ela achou que podia enfiar o dinheiro público no bolso que nada ia acontecer.

O ex-vice prefeito Rozan Gomes, que muitos acharam que seria o nome da mudança, também foi cassado. Na época, ele pediu afastamento  do cargo, alegando problemas de saúde, mas não pôde esconder: tinha o rabo preso à família tanto quanto os outros. Quem pensou que Rozan estivesse limpo, talvez também consiga ver sacis e mulas-sem-cabeça correndo pelos bosques mageenses.

Na atual gestão, encontramos sentado no trono, ou melhor, administrando a prefeitura, Anderson Cozzolino, que é nada menos que o dono da empresa de transportes de Magé: a ALFA RODO BUS. Como se não bastasse foder com o serviço de saúde do município, a família resolveu foder com o transporte público também: rompeu o contrato com a AUTO VIAÇÃO REGINAS e colocou nas ruas seus próprios ônibus. Isso sim é administração inteligente!

Com a suspensão das novas eleições e a ameaça de Dinho Cozzolino permanecer à frente da prefeitura até o fim oficial do mandato, quem assume a Presidência da Câmara de Vereadores de Magé é Leonardo da Vila, que já no seu primeiro mandato acumula muitas conquistas para a população mageense. Dentre elas, conseguiu carros importados, casas luxuosas e uma gorda conta bancária (seria mais seguro aplicar num banco nas Ilhas Cayman?).

Com o fim das eleições em Magé, muitos saem ganhando. Infelizmente, nenhuma destas manobras inclui ganhos para a população mageense, que, ao necessitar de atendimento médico especializado, por exemplo, precisa procurar o serviço nos municípios vizinhos.

Ouvi alguns falarem, caso houver o novo sufrágio (as chances são minúsculas!), que a solução será Nestor Vidal e seu vice Cláudio da Pakera. Daí, eu pergunto pra você: qual o interesse destes dois homens em administrar Magé?

Engraçado, não sei o porquê de ter lembrado que o ingrediente fundamental para a produção de refrigerantes é água. A água do rio de Pau Grande está acabando… As taxas e  impostos para manutenção de uma empresa são altos. Ah, é verdade, é preciso expandir os negócios sempre.

Vereadores Amsterdam, Carlinhos e Leandro questionaram suspensão da eleição para prefeito

Em 27/06/2011

Revoltado com a suspensão das eleições diretas para prefeito em Magé, um grupo de vereadores questionou o presidente interino da Câmara de Vereadores, Leonardo da Vila (PP), sobre a liminar concedida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a seu pedido, que cancelou as eleições suplementares para prefeito e vice que seriam realizadas no dia 17 de julho.

Amsterdam Santos Viana (PMDB), Carlinhos do Hospital (PSDB) e Leandro Rodrigues (PRD) denunciam que o presidente da câmara agiu sozinho, sem consultar a casa sobre a intenção de ir ao TSE suspender a eleição. Eles ressaltam que o processo de cassação do mandato da prefeita Núbia Cozzolino e do vice Rozan Gomes ocorreu ainda em 2010, antes de os dois completarem dois anos no cargo, o que obrigaria a realização de eleições diretas.

— A decisão do presidente da câmara foi uma ação isolada. Estão achando que esta é uma terra sem lei! — diz Leandro, que descobriu pela imprensa que não haveria mais eleições no dia 17.

Ex-presidente da Câmara de Vereadores e completando seu terceiro mandato na casa, Amsterdam questionou a legalidade da decisão.

— Como vereador não fui chamado em nenhum momento para discutir esse tema. Apesar de o regimento da câmara ser presidencialista, essas decisões não podem ser tomadas sem se informar os outros vereadores — afirma.

Vila rebate as acusações e diz que a câmara e o TRE nunca foram informados da cassação.

— Entendi que a população foi prejudicada e por isso entrei com a liminar, tanto que ela foi aceita pela ministra — afirma, ao citar a aprovação da ministra Nancy Andrighi: — Não estou a favor de ninguém, apenas da lei. Também não preciso avisar a ninguém. A vacância nunca foi informada, as eleições não podem ser diretas — defende.

A cidade de Magé tem 13 vereadores, sendo que três deles estavam concorrendo ao cargo de prefeito na votação do dia 17.

Fonte: Extra

Se continuarem rebeldes assim, os vereadores Huguinho, Zezinho e Luisinho acabarão deserdados pelo Dinho Patinhas
Prefeito de Magé

Eleições em Magé estão cada vez mais longe de acontecer

Prevista para o dia 17 de julho, a eleição suplementar para prefeito em Magé, na Baixada Fluminense, pode ter sido definitivamente sepultada. Ontem, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou que o julgamento do mérito da liminar, concedida na semana passada pela ministra Nancy Andrighi e que suspendeu temporariamente o pleito, não está nas pautas das sessões de hoje e de quinta-feira do tribunal.

Após essas duas sessões, o órgão entrará em recesso e só voltará aos trabalhos em agosto. Assim, o mérito só seria julgado a tempo da eleição do dia 17 de julho, caso fosse incluído de última hora na pauta de julgamentos do TSE.

Apesar disso, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) confirmou que trabalha para a eleição ocorrer já que, pela lei, tem cinco dias de prazo para prestar informações sobre o que foi questionado no pedido de liminar, impetrada pelo procurador-geral da Câmara de Vereadores de Magé, Fernando Abrahão.

No documento, Fernando Abrahão alegou que o TRE não declarou vagos os cargos de prefeito e de vice-prefeito, o que seria necessário para uma nova eleição. Os dois tiveram os mandatos cassados pelo TRE no dia 9 de junho. Apesar de não comunicar a vacância à Câmara Municipal, o TRE autorizou o pleito em Magé.

Posse

Procurado pelo EXTRA, o TRE não confirmou a versão e disse que vai esperar o prazo de cinco dias — que termina esta semana — para se manifestar.

O procurador-geral também solicitou que, caso a vacância seja declarada, a Lei Orgânica do município deve ser cumprida. A regulamentação prevê que o presidente da Câmara — Dinho Cozzolino, prefeito interino — assuma definitivamente a prefeitura da cidade.

O presidente em exercício da Câmara, Leonardo da Vila, disse que poderá dar posse hoje a Dinho Cozzolino, se houver um comunicado do TRE dando essa autorização.

Ontem, os vereadores Carlinhos do Hospital (PSDB), Leandro Rodrigues (PRD) e Amsterdan Viana (PMDB) ameaçaram boicotar a sessão, caso a posse seja dada sem ordem do TRE.

O único que está feliz com essa situação.

Fonte: Extra

FLATUS POPULI

Um dia desses estava jogando bola com o pessoal do trabalho, um amigo me pediu para guardar o celular e a carteira dentro da bolsa que eu carregava. Eu trabalho no Centro do RJ e lá todos os meus amigos brincam com o lugar onde moro, Magé! Esse dia foi legal porque o feitiço se voltou contra o feiticeiro. No final do jogo, meu amigo me pediu de volta o celular e a carteira que estavam em minha bolsa, quando peguei o celular dele inveitei uma história, já que ele participa de tudo quanto é promoção e concursos a prêmios, e disse: “Cara, tem uma mensagem no seu celular dizendo que você ganhou uma casa no valor de 100 mil reais… Só que o imóvel é em Magé!”

Quer saber qual foi a reação dele?

Outro amigo fotografou o exato momento, veja:

NÃÃÃÃÃÃÃOOOOO

Perrengue das eleições

Senhores, como é de vosso conhecimento as tais eleições em Magé foram suspensas a pedido de nossos queridos vereadores. Esses homens, eleitos pelo povo, deveriam zelar por ele. E o que eles fazem??? Perpetuam os Cozzolinos mandando em nossa cidade. E isso é culpa de todos que votam neles, ou em pessoas tão cafajestes quanto os que ganharam o “pleito popular” (se pudermos chamar a compra descarada de votos que ocorrem em nosso município de pleito popular, tá valendo então).

Nossos vereadores cobram uma eleição indireta, que estaria num regimento interno da cidade, ou seja, Magé é uma tribo indígena, e o cacique é Cozzolino Mão Grande.  Este blog não é inocente, somos de posicionamento anárquico e sabemos perfeitamente que qualquer  eleição nos moldes do sistema capitalista, liberal e consequentemente corruptível em vigor no Brasil hoje não é expressão da democracia ou da liberdade, trata-se de uma farsa montada para que assim acreditemos. Mas é fato que fomos tolidos de um direito, escolher nosso representante, o prefeito da cidade. Sinto-me usurpado, enganado e violentado. Tô puto! Os posts sobre as eleições de Magé serão mantidos, acredito que valem à pena, seja pela piada ou pela informação caso a situação ainda mude.

E só pra ficar registrado, os vereadores eleitos em 2008 (segundo site do TSE) e que hoje nos foderam são os seguintes:

ÁLVARO ALENCAR DE OLIVEIRA RODRIGUES PT
AMISTERDAN SANTOS VIANA PMDB
ANDERSON COZZOLINO PMDB
CARLOS DA SILVA FERREIRA PSDB
GENIVALDO FERREIRA NOGUEIRA PPS
GUILHERME DA SILVEIRA MARCATTI PRB
JOSE CARLOS PRATA MOREIRA PSB
LEANDRO HASSEM DAM RODRIGUES PRB
LEONARDO FRANCO PEREIRA PP
RAFAEL SANTOS DE SOUZA PPS
SERGIO RENATO PEREIRA PMDB
VALDECK FERREIRA DE MATTOS DA SILVA PTC
WERNER BENITES SARAIVA DA FONSECA PT do B

Tribunal Superior Eleitoral suspende eleição para prefeito

TRIBUNAL ACOLHEU PEDIDO DE VEREADORES

A ministra Nancy Andrighi, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), concedeu na quarta-feira liminar à Câmara de Vereadores de Magé suspendendo a realização de eleições suplementares para prefeito da cidade. Assim, fica suspenso o pleito até que seja julgado o mérito da ação.

A Câmara havia entrado no TSE com medida cautelar contra as eleições marcadas pelo TRE para 17 de julho alegando que não houve vacância do poder que a justificasse.

No pedido, a Câmara de Magé informa que, apesar da cassação da ex-prefeita Núbia Cozzolino e de seu vice, Rozan Gomes, pela Justiça, ela, de fato, não ocorreu. E que Núbia deixou o cargo por renúncia.

Além disso, Rozan Gomes assumiu a prefeitura. E completa afirmando que, mesmo que ele deixe o cargo, como falta menos da metade do mandato, caberia aos vereadores escolher o próximo prefeito, como determina a Lei Orgânica do Município.

Relembrando, seis candidatos estão inscritos para disputar o pleito, que estava marcado para 17 de julho.

Ezaquiel Siqueira da Conceição, do PCdoB;

Octaciano Gomes Ramos (PSOL);

Genivaldo Ferreira Nogueira (PPS);

Álvaro Alencar de Oliveira Rodrigues (PT);

Werner Benites Saraiva da Fonseca, da coligação (PTdoB e PTC);

Nestor de Moraes Vidal Neto, pela aliança formada por PMDB, PSDB, PSL e PSC.

http://www.odia.terra.com.br

QUE BAGUNÇA É ESSA CIDADE E QUE FDP SÃO ESSES VEREADORES.
SÓ OS POLÍTICOS DE MAGÉ PRA FAZER UM “CARNAVAL” FORA DE ÉPOCA.